terça-feira, 14 de outubro de 2008

No meio do Caminho - No mei do carmin da roça

video

mais um dos Vídeos produzidos para a aula do Prof. Yuri na Pós graduação, aqui mostramos claramente a trascriação poética com uma boa dose de humor.
Valeu Flávio, inesquecível essa nossa gravação, ficará pra sempre na lembrança! preciso do making off!!

Pneumotórax_ Manuel Bandeira

video


Este Vídeo foi produzido como parte da aula sobre oralidade e trascriação na Poesia, por mim Maria Júlia Pontes e Flávio Vicente meu grande parceiro da Pós Graduação.Foi exibido durante o encerramento do módulo na aula do Prof. Yuri na UNINOVE.
Mais uma vez a tecnologia nos ajudou a preparar uma aula interessante e descontraída.
tecno-beijos a todos!!

terça-feira, 23 de setembro de 2008

Pela Internet - Gilberto Gil



Esta música estava no jornal de 5ª a 8ª séries que o Estado enviou para as Escolas Públicas trabalharem durante um período de mais ou menos 40 dias.
Todos os alunos da minha unidade não conheciam a música, e grande parte não sabia quem era Gilberto Gil. Através da música consegui ensinar o significado de palavras básicas de computador em Inglês que é a disciplina que eu leciono. Os alunos mostraram-se interessados dersenvolveram muito bem a atividade,aprenderam um pouco sobre Gil e ainda gostaram de cantar a música.

http://br.youtube.com/watch?v=WM6_DE0lBFE&NR=1
Link do Youtube com um vídeo bem interessante de Gilberto Gil interpretando a música.




Pela Internet
Gilberto Gil

Composição: Gilberto Gil

Criar meu web site
Fazer minha home-page
Com quantos gigabytes
Se faz uma jangada
Um barco que veleje ...(2x)

Que veleje nesse infomar
Que aproveite a vazante
Da infomaré
Que leve um oriki
Do meu velho orixá
Ao pôrto de um disquete
De um micro em Taipé...

Um barco que veleje
Nesse infomar
Que aproveite a vazante
Da infomaré
Que leve meu e-mail lá
Até Calcutá
Depois de um hot-link
Num site de Helsinque
Para abastecer
Aihê! Aihê! Aihê!...

Eu quero entrar na rêde
Promover um debate
Juntar via Internet
Um grupo de tiétes
De Connecticut
Eu quero tá na rêde
Promover um debate
Juntar via Internet
Um grupo de tiétes
De Connecticut...

De Connecticut de acessar
O chefe da Mac
Milícia de Milão
Um hacker mafioso
Acaba de soltar
Um vírus prá atacar
Programas no Japão...

Eu quero entrar na rêde
Prá contactar
Os lares do Nepal
Os bares do Gabão...

Que o chefe da polícia
Carioca, avisa
Pelo celular
Que lá na praça Onze
Tem um videopôquer
Para se jogar...

Jogar ah! ah! ah!...(4x)

Eu quero entrar na rede
Promover um debate
Juntar via Internet
Um grupo de tiétes
De Connecticut
Eu quero tá na rêde
Promover um debate
Juntar via Internet
Um grupo de tiétes
De Connecticut...

De Connecticut de acessar
O chefe da Mac
Milícia de Milão
Um hacker mafioso
Acaba de soltar
Um vírus prá atacar
Programas no Japão...

Eu quero entrar na rede
Prá contactar
Os lares do Nepal
Os bares do Gabão...

Que o chefe da polícia
Carioca, avisa
Pelo celular
Que lá na praça Onze
Tem um video-pôquer
Para se jogar...

Ah! ah! ah!
Jogar ah! ah!...(3x)
Connect show! Connect show!
Connect show! Connect show!
Connecticut, Connecticut
Connecticut...

sábado, 20 de setembro de 2008

Arte e Tecnologia na Educação


Considero imprescindível nos dias atuais um re-pensar os métodos aplicados na educação nessa sociedade pós-moderna, onde a tecnologia faz parte do dia-a-dia de professores e principalmente alunos. Sabemos porém, que na grande maioria das escolas professores ainda agem como seres que trazem o conhecimento àqueles que estão ali somente para recebê-lo. Acredito que a falta de preparação do professor para usar os recursos tecnológicos disponíveis é o grande agravante da não prática das tecnologias em sala de aula.

O professor tem sede de conhecimento, necessita de cursos de reciclagem, contato com as tecnologias e arte para aprender a aprender pensar em educar usando os recursos tecnólogicos disponíveis. Sabemos que grande parte das escolas não possuem nem sequer um aparelho de DVD ou CD player, mas sabemos também que as que possuem inclusive laboratórios de informática. Esses espaços vivem no esquecimento. Alguns professores olham para sala de informática como se fosse um alienígena. Essa reação é fruto do despreparo e da época em que esses professores foram educados e formados, isso reforça a importãncia de reciclar conhecimentos sempre.

Através da arte podemos encontrar formas de fazer nossos alunos interagirem de forma mais sedutora e curiosa com os assuntos que desejamos ensinar. Ensinar usando a arte como instrumento sempre pode geram bons resultados. Os adolescentes possuem hoje uma carga imensa de informações, mas não conseguem organizá-las, esse é o memento em que entra o professor como o mediador de todo esse conhecimento. Podemos trabalhar por exemplo a descrição através de uma quadro de Dali ou outro artista qulquer, podemos usar a internet para fazer uma viagem cultural em todas as disciplinas, despertar a sede de curtura nos nossos alunos é uma tarefa de extrema importãncia, eu diria que é uma missão, provocar a curiosidade, proporcionar organização de informações, usar o que esses alunos sabem para mostrarmos que podemos somar conhecimento e sabedoria.

Os projetos de visitas a museus e exposições devem ser frequentes e de uma forma responsável, levar anteriormente para a sala de aula informações que desperte a vontade do educando de experimentar o novo.

Nós, educadores desse presente repleto de tecnologias, precisamos experimentar todos os recursos que estiverem disponíveis, criar, inventar, re-inventar a forma de ensinar, fazendo do ambiente escolar um espaço onde o aluno sinta-se evoluindo a cada dia, e cada um desses dias seja um novo acontecimento, uma nova descoberta para o mundo pós-moderno impregnado de tecnologias.



PAOLA AZEVEDO: GRAVURA EM LUZ


sábado, 6 de setembro de 2008

Cyber-manufaturando


Mão que ganha pão
As duras penas,
E no fim do dia
Recolhem suas vintenas,

Mão que conta centavos,
Trabalhador de rua
Que em plena segunda-feira,
__________________ jejua

Mãos que se cruzam
Na contemplação
Do simples pássaro
Que voa nos parques
______________ Ave!

Mãos que des-abraçam,
Que esboçam histórias
E guardam para sempre memórias
Num espaço e tempo, absolutos,

Mãos da arte,
Da cura, do bem,
Do mal, do adeus, da chegada
Do giz cravado no âmago,

Mãos que recebem e oferecem,
Que transformam imagens
Em palavras que cortam,
Que alentam, que inventam,

Mãos que teclam , que distribuem
Pensamentos na mais famosa vedete
_________ a internet ______________


Fotos e texto: Maria Júlia PontesTrabalho desenvolvido para aula de Tecnologias da Informação e da Comunicação Aplicadas ao Ensino. / Prof. Ênio Moraes - UNINOVE, Sâo Paulo

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Cyber-proseando



A beleza sintética da modernidade, os olhares: espelhos sem reflexos. Não importa onde, globalização. Moda, molde, mídialização. Na boca da massa, nas casas, nas telas das TVs, nos out-doors. Te instigam a ser, a ter,o que só os olhos podem ver.
Nos corpos de plástico, desejos consumistas. Seguem padrões,-seres estáticos- musas tecnológicas dos poetas cibernéticos, têm boca, mas não falam, não usam Natura Chronos, pois rugas não possuem. Não precisam de chocolate diet nem tampouco Zero cal.

- Não distinguem açúcar e sal.

Não frequentam o high society, não conhecem o bem e o mal. A linguagem que usam é sedução imagética. As manequins de vitrine emagreceram para sempre. Foram criadas para serem vestidas.
As musas representadas por esculturas de cimento e pedra foram criadas para serem despidas. Falam da beleza de serem únicas, sem moldes, curvas naturais, rostos expressivos, um dia vistos vivos e eternizados por poetas e escultores, que captaram seus olhares mais ternos, suas dores e sorrisos - eternos-

Fotos e texto: Maria Júlia Pontes
Trabalho desenvolvido para aula de Tecnologias da Informação e da Comunicação Aplicadas ao Ensino. / Prof. Ênio Moraes - UNINOVE, Sâo Paulo

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Elas não usam BlacK-tie.... não comem chocolate diet... nem precisam de Zero Cal!!
Têm boca, mas não falam...
Fotografado no Brás _SP - 28/08/2008 -
Imagem para devaneios.... o que será? alguém se habilita?
Pôr-do-sol na Metrópole - arredores da estação da Luz - domingo 28/08/2008
Os brasilieros gostam sim de uma boa leitura... não importa onde...
Parque da Luz-domingo- 24/08/2008
Pregai a palavra de Deus... não importa onde - Menino entoando um cântico de louvor - em frente o parque da Luz - domingo- 24/08/2008
Mãos que desenham sonhos... e o pão de cada dia, adereços muito interessantes, me chamaram atenção. Ele desenha no verso de bloquinhos de romaneios o meu desenho e do Ron foi o Romanei número 1311 - está sempre na entrada da cafeteria da Pinacoteca. domingo- 24/08/2008
Eu o observei por alguns minutos, passeava pela estação da luz com os donos... não ladrou, mas veio em minha direção, ele foi o único que percebeu que estava sendo observado.
Musa de pedra... parque da Luz - domingo 24/08/08
Serena-idade!!! serenidade e prazer na leitura ...
Liberdade de ir e vir... e escolher a direção...
Ele me fitou de tal forma que a câmera tremeu, percebe-se na foto...
Ele parecia querer folhear o jornal.. e o olhar de uma inocência sem fim me deixou comovida ao fotografá-lo num relãmpago... os olhinhos puxados... o pai empurrava o carrinho parecia oriental.
Não existe idade certa, lugar certo... para um momento de amor... lindo casal!
Momento de reflexão...contemplação da natureza, poucos usam uma parte do tempo para fazê-lo.
O homem solitário, estava lá, imóvel, perdido em seus pensamentos? quem sabe?
O dono da pequena banca de frutas (Homem gesticulando) era com ele e com esse outro senhor que o homem da foto já publicada aqui falava, se perceberem parece que o dono da banca tirava um cochilo durante a conversa, não sei como conseguia pois o outro falava muito e não falava num tom de voz muito baixo.
O dono da banca, parece exausto, o movimento parece fraco, talvez isso o tenha desanimado e provocado o cochilo inevitável pelo cansaço aparente.
cafeteria da Pinacoteca, todo um ritual no preparo de um bom café brasileiro.
Domingo 24/08/2008
Fotografado em frente a estação da Luz, domingo 24/08/2008 - o aparente casal não é um casal, apenas dei sorte na hora de fotografar o senhor ...ela apareceu do nada... gosttei do efeito casal!

terça-feira, 26 de agosto de 2008


Fonte - Parque da Luz - domingo - 24/08/2008
Banco em frente o parque da Luz, pensando? observando? domingo 24/08/2008
Avistei esse homem de longe, naturalmente fingindo fotografar toda a redondeza fui me aproximando pela lateral, o mais interessante é que consegui fotografá-lo de perto e ele não se moveu mesmo depois que passei, parecia perdido em pensamentos, olhava p um ponto fixo, a sensação que tive é que ele estava em outra dimensão, as pessoas ao redor pareciam não existir para ele.

Passeio de bicicleta no domingo, centro de São Paulo - Estação da Luz. Imigrantes se adaptam a metrópole. pelas características físicas e o local onde fotografei deduzi que os dois homens da foto são bolivianos. O fato de usarem a bicicleta me chamou atenção, eles chegam na maior cidade da américa do sul e conseguem se adaptar, continuam usando a bicicleta mesmo que seja apenas num domingo ensolarado.
banca de frutas em frente ao parque da Luz, domingo 24/08/2008- Homem gesticulando-
A cena me chamou atenção, pois o vendedor estava sentado, (eu o fotografei também) e esse senhor falava tanto e gesticulava, o outro parecia apenas ouvir tudo que ele dizia sem muita reação, não pude ouvir a conversa, mas ele parecia indignado com algo que estava acontecendo nos arredores.
Menino - domingo 24/08/2008 - travessia do parque da Luz p estação da Luz. Essa foto foi interessante, eu estava atravessando a rua e esse garoto vinha de encontro, foi muito rápido, se eu perdesse esse click, já era. a expressão do rosto e o estilo dele me chamaram atenção. Tem um olhar extremamente penetrante que percebe-se em questão de segundos.